1. Você busca um palestrante que domine com intimidade a história e a atualidade do cinema e também fale com entusiasmo e propriedade sobre o assunto.
  2. Ver um filme é mais do que sentar e esperar pelo final; saber ver um filme estimula o raciocínio, instiga a curiosidade e muda a percepção do mundo. Ao desenvolver o olhar dos participantes, Bahiana mostra como aproveitar ao máximo o prazer – e a formação cultural – que o cinema proporciona.
  3. O cinema e sua indústria de sonhos serão vistos pelo olhar único de quem teve sua entrevista com Francis Ford Coppola sobre O Poderoso Chefão 3 escolhida como a mais representativa para inclusão na obra The Godfather Family Album (ed. Taschen, 2008). Alguma dúvida de que ela sabe do que está falando?

  1. Como ver um filme: a diferença entre “olhar” e “ver”
  2. Como ver um filme do mesmo modo como diretores, roteiristas, atores e produtores o veem
  3. Entre arte e comércio: como nascem os filmes
  4. Criando personagens e sensações com objetos, cores e figurino
  5. Como o olho humano cria a história. Como o som modifica a experiência do olhar

Quem é

Jornalista, crítica de cinema e escritora especializada em cultura, colaborou com o New York Times, entre outros veículos da grande imprensa mundial. Radicada em Los Angeles desde 1987, Bahiana faz parte da Associação de Correspondentes Estrangeiros de Hollywood, que elege o Globo de Ouro.

Ana Maria Bahiana tem uma longa e prestigiosa carreira no Brasil e no exterior, em imprensa, rádio, televisão e internet.

Residente em Los Angeles há duas décadas, Ana Maria foi a chefe do escritório de Los Angeles da revista inglesa Screen International; produtora e correspondente da rede Telecine e da Rede Globo em Los Angeles; leitora de roteiros e consultora da VideoFilmes, FJProductions, Ventura Films e Boathouse Row Productions; produtora e corroteirista do primeiro filme adquirido pela Buena Vista Latin America em regime de coprodução, a comédia romântica Rock’n’roll 1972, lançada em 2006.

Ana Maria é diretora de projetos especiais do departamento histórico da Hollywood Foreign Press Association, que escolhe os Globos de Ouro. Antes desse posto, foi editora-chefe de conteúdo digital da Associação. E, é claro, votante na escolha dos Globos de Ouro desde 1990.

Seus novos livros, Almanaque de 1964 e Celluloid Ceiling, foram publicados em 2014, respectivamente pela Companhia das Letras, São Paulo, e Supernova Books , Londres. Em 2012, Ana Maria lançou Como Ver um Filme pela Nova Fronteira, resultado de uma série de cursos ministrados em todo o Brasil.

Além disso Ana Maria é autora de Almanaque dos Anos 70 (Ediouro, 2006) – um, dos maiores best sellers do ano – e da nova edição de Nada Será Como Antes: Música Brasileira nos Anos 70 (original da Civilização Brasileira, 1979; Senac Rio, 2006). Seus demais títulos são Jimi Hendrix: Domador de Raios (Brasiliense, 1980; Pazulin, 2006); América de A a Z (Objetiva, 1993); A Luz da Lente (Editora Globo, 1998); Anos 70 (antologia de ensaios, Funarte, 1979; Aeroplano/Senac Rio 2005); e as traduções brasileiras de Dispatches/Despachos do Front, de Michael Herr (Objetiva, 2005) e Easy Riders, Raging Bulls, de Peter Biskind (Editora Intrínseca, 2007).

Sua entrevista com Kathryn Bigelow faz parte do livro Conversations With Filmmakers, publicado pela University of Mississsippi Press em 2013, e sua entrevista com Francis Ford Coppola sobre O Poderoso Chefão 3 foi incluída em The Godfather Family Album, obra da Ed. Taschen, lançada em dezembro de 2008.

Ana Maria dá palestras e cursos sobre cinema, cultura e entretenimento e escreveu para, entre outros, Jornal do Brasil, O Globo, Folha de São Paulo, Estado de São Paulo, Opinião e Rolling Stone, no Brasil; New York Times Syndicate, Escape e Beat, nos Estados Unidos; Le Film Français na França; Follow Me, HQ e Cinema Papers na Austrália.

Depoimentos

A professora é ótima, conhece muito bem o assunto e consegue passar claramente seu conhecimento.
É superdifícil encontrar cursos sobre cinema como apreciação, sem ser ‘erudito demais’. Adorei a Ana Maria Bahiana! Ela é muito simpática, acessível e realmente conhece muito de cinema.

Na Mídia

Livros

Traduções

  • Dispatches/Despachos do Front, de Michael Herr (Objetiva, 2005)
  • Easy Riders, Raging Bulls, de Peter Biskind (Editora Intrínseca, 2007).