1. Luiz Tenório é referência no estudo da vida e obra de Freud no Brasil, estudando o fenômeno da melancolia, especialmente. De maneira serena, é a oportunidade para ouvir um pouco mais a respeito do que hoje é visto apenas como depressão, sua face infrutífera.
  2. Sua plateia quer aprender sobre o surgimento da psicanálise e conceitos básicos freudianos como inconsciente, narcisismo e complexo de Édipo, por exemplo.
  3. O objetivo é compreender as relações existentes entre Freud e a cultura ocidental, apresentadas a partir de cruzamentos entre a psicanálise e a literatura. Se Freud explica muita coisa, é a oportunidade de ouvir o que suas obras podem dizer ao seu público.

  1. Freud e as Origens da Psicanálise
  2. Os Pensadores da Mente
  3. Melancolia, Gênio e Criação
  4. Proust e Freud: Memória e Psicanálise

Quem é

Psicanalista, médico psiquiatra, escritor, professor e membro efetivo da Sociedade Brasileira de Psicanálise de São Paulo.

Autor de Folha Explica Freud (Publifolha, 2001).

Detalhe dos Temas

Da Autoanálise à Interpretação dos Sonhos

Este curso apresenta a formação da teoria psicanalítica a partir das ideias de Sigmund Freud relatadas em longa correspondência travada com Wilhelm Fliess, médico alemão. Mais que um ouvinte, Fliess foi o fiel confidente de Freud, que compartilhou com ele a verdadeira pré-história da psicanálise. Por suspeita de que Freud tivesse plagiado algumas de suas ideias, a amizade foi rompida por Fliess em 1902 e os amigos se afastaram. Freud destruiu toda sua correspondência com Fliess, ao partir para a Inglaterra junto com sua família, em 1938. As cartas em poder de Fliess foram vendidas a um colecionador, mas posteriormente foram resgatadas e publicadas por iniciativa de Marie Bonaparte. O curso – e as cartas – cobrem esse período, que vai de 1887 a 1902.

  1. A amizade com W. Fliess, a clínica das neuroses e a morte do pai
  2. O início da “autoanálise”; crise pessoal; crise científica
  3. A descoberta do complexo de Édipo e seus coautores: Sófocles e Shakespeare
  4. A correspondência com W. Fliess e composição de A interpretação dos sonhos – tensão entre escrita científica e escrita literária: o surgimento do campo psicanalítico
O curso propõe pensar, do ponto de vista da história das ideias, as afinidades e as diferenças entre A Interpretação dos Sonhos e Em Busca do Tempo Perdido, obras fundamentais do início do século 20. O objetivo principal será tentar expor relações significativas encontradas nos textos dos dois autores e que demonstrem a existência de um “espírito do tempo”, tal como pode ser percebido na virada do século 19 para o 20. Com Freud e sua obra A Interpretação dos Sonhos surgiu um novo saber sobre a mente: a psicanálise. Proust, por sua vez, deu origem a uma nova técnica narrativa que colocou em questão os limites do romance e a tradição romanesca ocidentais.

  1. Sigmund Freud, A Interpretação dos Sonhos e a origem da Psicanálise: uma nova teoria do eu (1897-1900)
  2. Marcel Proust e Em busca do tempo perdido (1912-1922). O ”eu fragmentado” e a memória involuntária
  3. Freud e Proust. Comentário sobre um sonho de Freud e sobre um sonho de Swann. Reflexões sobre sonhar, dormir e criar
Da Antiguidade à depressão na atualidade

Hipócrates, o pai da medicina, definiu a melancolia como a doença da bile negra. Desde então, muitos pensadores tentaram ampliar o entendimento fisiológico e filosófico dessa condição. Se a melancolia já foi considerada distúrbio de humores, Aristóteles e outros estavam seguros de que era uma admirável condição da mente, associada à inteligência, à genialidade e à criatividade. O curso pretende estabelecer, de um ponto de vista da história das ideias, a relação entre o tema da melancolia, a psicanálise e a crítica da cultura no mundo contemporâneo.

  1. Aristóteles e a Antiguidade
  2. A melancolia na Idade Média e na Renascença
  3. O Romantismo e a melancolia nos séculos 18 e 19
  4. Freud e a visão contemporânea de melancolia

O que o público diz

Excepcional, brilhante, um novo caminho. Luiz Tenório, com seu carisma e entusiasmo, motivou ainda mais minha participação nesse curso e me incentivou a continuar estudando.
O professor é de extrema sabedoria, me senti muito envolvida com seus esclarecimentos.

Na Mídia

Livros