1. Você procura uma palestrante que trate de atualidades e o comportamento contemporâneo a partir de uma abordagem psicanalítica.
  2. Maria Lucia Homem oferece uma visão rica e exibe trechos de filmes para ilustrar suas análises sobre amor, traumas, papéis, relacionamentos, masculino e feminino.
  3. Sua equipe precisa entender o público com o qual está lidando ou vai lidar e você não sabe por onde começar. Que tal o cinema lido pela psicanálise, mostrando como nossa cultura pensa?

  1. A fantasia do amor e sua queda: estaríamos envoltos na inescapável armadilha do circuito expectativa – frustração?
  2. As bases de constituição das representações do masculino e também do feminino
  3. Cinema e psicanálise: entre o olhar, o sonho e o desejo
  4. Novos casais, velhos paradigmas: o casamento clássico como modelo das novas formas de relacionamento
  5. Vida, modo de usar: formatura, maioridade e mercado

Quem é

Psicanalista, especializada em cultura e estética, é pesquisadora do Núcleo Diversitas FFLCH/USP e professora da FAAP. Tem pós-graduação pela Universidade de Paris VIII/Collège International de Philosophie e Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da USP.

Saiba mais

Detalhes dos Temas

O divórcio, como qualquer outra prática social, tem uma história e um sentido. Desde sua legalização, fazer uso dessa ferramenta tem sido algo cada vez mais naturalizado. A ideia de viver uns 50 ou 60 anos compartilhando a vida e o teto com outro ser humano talvez não seduza tão profundamente os jovens de hoje como já o fez no passado. Expressão ao mesmo tempo da liberdade individual do sujeito moderno, o divórcio – como afirmação da lealdade a si mesmo – por vezes esbarra, no outro polo, com um sistema de trocas e consumos que nos diz que o novo tem valor sempre superior. O curso irá discutir esse paradoxo e as fases mais frequentes dessa passagem.

  1. A dúvida: suportar a realidade ou almejar o novo?
  2. A aceitação: a radicalidade da solitude moderna
  3. O desejo de ter tido filhos, o desejo de não perder os filhos
  4. Modernidade radical: a contínua invenção de si (sem o Outro)
É muito antiga a ideia de que flechas de Eros ou alquimias mágicas estão por trás das forças que nos repelem ou nos atraem em relação aos outros seres. O que alimenta grandes paixões, antipatias mortíferas, afinidades imediatas? Para além ou aquém da força dos feitiços e dos deuses, o curso pretende partir do que a psicanálise possa ter a nos dizer sobre as, afinal, ainda misteriosas relações humanas.

Encontros:

  1. Do pathos grego à pulsão moderna
  2. Atração, força de Eros
  3. Repulsão: quando o Outro encarna o mal
  4. Empatia: um mundo sem ódio seria possível?
Desde sua origem, a palavra pathos é multifacetada: cobre um amplo espectro que vai da paixão mais clássica e admirada à patologia mais delirante e doentia. O curso trata, a partir de uma abordagem psicanalítica e ilustrado com trechos de filmes significativos, dos aspectos sombrios que são inerentes às relações pessoais, alimentados constantemente desde a construção do Eu e fundamentais para um melhor entendimento não só da mente humana, mas também da vida em sociedade.

  1. O amor materno: mito ilusório ou desejo devorador?
    Filme: Precisamos Falar sobre Kevin (Lynne Ramsay, 2011).
  1. Ciúme: o sentimento primordial
    Filme: O Ciúme (Philippe Garrel, 2013)
  1. Traição: os alicerces e efeitos da (des)confiança
    Filme: Closer – Perto Demais (Mike Nichols, 2004)
  1. Vingança
    Filme: O Lugar Onde Tudo Termina (Derek Cianfrance, 2013)

O que o público diz

Gostei imensamente do curso e da professora. Simpática e cheia de sabedoria, transforma um tema tão amplo em aulas muito agradáveis.
São primorosos os cursos da Maria Lucia Homem, gostei muito do estilo de aula da professora. Ela tem uma ótima didática. Terminei o curso com gosto de quero mais.

Na Mídia

Livros